quinta-feira, 22 de maio de 2008

Olá. Como vai?

Pois é. O Yogaforum está no ar (www.yogaforum.org) e já me dei conta do volume imenso de trabalho que terei ainda até que uma rotina de alimentação de conteúdo se estabeleça. Todo o foco de meu esforço, até o momento, vinha sendo o de preparar o melhor ambiente virtual e conteúdo para os visitantes do site. Mas... que visitantes?

Há muitos anos eu trabalhei na área de publicidade. Naquele tempo não havia Internet, e o conceito de virtualidade só era discutido nas aulas de física ("virtual" era a natureza das imagens refletidas em um espelho). Então, quando montávamos um plano de mídia, nosso alvo eram pessoas de carne e osso, e não "avatares" de algum meta-espaço.

Mas os tempos são outros e precisamos nos conformar às novas regras de comunicação. Este blog é um exemplo de como a nova ordem possibilita uma conversa informal com um visitante virtual de minha página. Olá. Como vai?

Qualquer um pode entrar e sair do Yogaforum. Um surfista de Internet que acidentalmente desemboca por ali, pode dar uma olhada casual e seguir seu fluxo desinteressado. Um tarado pode fuçar por ali atrás de fotos de mulher pelada, e um outro pode estar procurando sugestões para uma balada. A Internet tem o piso escorregadio, e ao menor descuido estamos entrando em espaços que nada têm a ver com a gente.

Mas quando eu me debruçava sobre os rascunhos desse forum virtual, eu não via nenhum desses inúmeros visitantes casuais. Será que eu não deveria me preocupar com eles, também? Há algum tempo eu costumava dizer que nada acontece verdadeiramente por acaso. Até um acidente de navegação pode ter um propósito que nossa percepção não alcança. E então a navegação se torna mística e, quem sabe até iluminadora...

Os povos antigos costumavam dizer que os jogos de azar são para os homens, e que os deuses não jogam dados. Mas caberia perguntar, diante da imensa arquitetura telemática sobre a qual se apóia a maior parte da civilização, hoje: será que Deus navega por esses mares da Internet? Ele poderia ser o responsável por tornar essas avenidas digitais tão reais e atraentes para o cidadão beneficiário da inclusão digital. Talvez ele tenha descoberto que jamais em toda a história religiosa da Humanidade um deus foi tão adorado e cultuado quanto a Internet o é, agora.

Então, fazendo essas reflexões, me sinto muito mais confortado por saber que ao construir o Yogaforum posso ter, simplesmente, atendido a um desígnio divino. E que talvez não me caiba a preocupação acerca de quem vai visitar o meu site - e se tem ou não tem o perfil para o qual ele foi concebido. Movidos pelas forças divinas, os internautas casuais simplesmente vão desfrutar de uns instantes de imersão por ali, e em seguida, sem qualquer constrangimento vão, com um clique a mais, fechar a janela e seguir viagem. Boa viagem, então.

Para aqueles poucos que, diferentes dos casuais, encontrarem ali algum conforto para suas expectativas, peço a gentileza de me presentear com sua opinião, e com muita sinceridade. Pois esse é o momento do trabalho na Internet em que ficamos finalmente diante de uma pessoa por inteiro - ainda que a uma considerável distância virtual. O mundo da Internet repousa sobre uma superfície insegura e escorregadia, onde só se mantém firme quem tem uma opinião bem articulada, na qual possa se apoiar.

2 comentários:

Leire disse...

professor, adorei o site, ainda não tive tempo de mergulhar nele, mas logo mais farei isto. Ficou ótimo!
Grata por compartilhar o Yoga
Namaste!

leinad.cruz disse...

Leinad disse:
É muito interessante ter à disposição informações confiáveis à cerca do yoga. Assim podemos pesquisar com mais segurança. Pretendo tornar-me assidua nas pesquisas.
Fico feliz pelo sucesso do site.
Namaste.